Academia Brasileira de Neurologia sugere toxina botulínica-A como tratamento para migrânea crônica | Araujo e Fazzito

13 de mar de 2018

Academia Brasileira de Neurologia sugere toxina botulínica-A como tratamento para migrânea crônica

A migrânea crônica é um distúrbio neurológico debilitante de cefaleia primária, conhecido por causar dores e desconfortos que duram pelo menos 15 dias, ou seja, metade do mês, às vezes mais. No entanto, um novo procedimento com aplicação de toxina botulínica-A está sendo sugerido como novo tratamento para os pacientes diagnosticados com o distúrbio.

Apesar de ainda não constar no rol da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a terapia já foi inserida na Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) e possui uma Diretriz de Utilização que foi desenvolvida pela Academia Brasileira de Neurologia junto à Sociedade Brasileira de Cefaleia.

Para a aplicação os pacientes devem atender a critérios de indicação acordados pela Classificação Internacional de Cefaleia, além de possuir diagnóstico clínico. Também será necessário descrever as características da dor, fenômenos associados ao distúrbio e especificar se ocorrem alterações de visão e formigamento nas mãos e na boca.

Segundo Fernando Kowacs, coordenador do Departamento Cientifico de Cefaleia do ABN, “a migrânea é um quadro grave de enxaqueca, transmitida geneticamente, no qual a pessoa tem crises de dor de cabeça acompanhada de intolerância à luz, até mesmo náuseas e vômitos”.

Kowacs afirma ainda que pelo menos 2% da população sofre com esse distúrbio neurológico e que a aplicação da toxina botulínica-A deve atuar na redução de intensidade da dor em dias de crise, mas não será responsável por resolver 100% do problema.

Fonte: Academia Brasileira de Neurologia

Notícias relacionadas

19 de abr de 2018

A Academia Americana de Neurologia atualizou, no fim do último ano, uma diretriz que reviu pesquisas sobre o comportamento cerebral de pacientes com comprometimento cognitivo leve (CCL). A Academia concluiu que houve melhora neurológica nos pacientes que se exercita...

17 de abr de 2018

O The American Journal of Psychiatry publicou, no início do ano, uma pesquisa que aponta o agravamento dos sintomas da ansiedade em adultos mais velhos, como um possível sinal do desenvolvimento do Alzheimer. Responsáveis pelo estudo, os cientistas do ...

03 de abr de 2018
Cientistas do Reino Unido descobriram, por meio de testes em roedores, que um medicamento desenvolvido para tratar diabetes tipo 2 pode agir na proteção dos neurônios atacados pela doença de Alzheimer. Christian Hölscher, da Universidade Lancaster à Science Alert e um dos responsávei...