Climatério aumenta o risco de Alzheimer | Araujo e Fazzito

30 de nov de 2017

Climatério aumenta o risco de Alzheimer

Publicado pelo periódico científico PLoS One, um estudo afirma que as mudanças metabólicas do cérebro durante o período de desenvolvimento da menopausa (climatério), pode deixar a mulher mais vulnerável ao mal de Alzheimer. A Associação Americana de Alzheimer afirma que ser mulher é o segundo maior fator de risco para a doença, ficando atrás apenas do avanço da idade.

Especialistas responsáveis pelo estudo examinaram 43 mulheres entre 40 e 60 anos para analisar a forma como seus cérebros metabolizam glicose, a principal fonte de energia das células cerebrais. O resultado apontou que as 15 mulheres em climatério e as 14 no período de menopausa foram as que apresentaram níveis mais baixos de glicose.

Essas mulheres com baixo nível de glicose apresentaram resultados ruins nos testes de memória e sinais de disfunção mitocondrial, ou seja, o processamento de energia das células do cérebro já perdeu parte de sua eficiência. Além disso, a citocromo oxidase, enzima chave no metabolismo das células, foi identificada com menos abundância.

Os mesmos pesquisadores identificaram em estudos anteriores que a menopausa pode estar associada também ao aumento da proteína beta-amiloide no cérebro, um dos principais biomarcadores do Alzheimer. Segundo Lisa Mosconi, principal autora do estudo, “As mulheres precisam de acompanhamento médico a partir dos 40 anos e antes do surgimento de quaisquer sintomas endócrinos ou neurológicos”.

Fonte: Veja

Notícias relacionadas

21 de maio de 2019
Na última semana, a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou novas recomendações para reduzir o impacto da demência no mundo. Estima-se que até o ano de 2050 chegue a 152 milhões o número de casos, representando um aumento de até três vezes mais se comparado aos dias atuais. Dentre as...
16 de maio de 2019
Se pesquisar a frase "mal do século" em qualquer buscador da internet, não vai ser difícil encontrar uma enorme variedade de páginas mencionando tanto a ansiedade quanto a depressão. Segundo dados divulgados em relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) no ano passado, já são mais de...
09 de maio de 2019
Só no Brasil são contabilizados cerca de 60 milhões de casos de dor crônica, e muitos desses pacientes não respondem de forma positiva às terapias convencionais feitas com medicamentos e reabilitação. Pensando nisso, pesquisadores estudam novas abordagens terapêuticas como a estimulação e...