Estudo afirma que medicação para diabetes tipo 2 pode atuar contra o Alzheimer | Araujo e Fazzito

03 de abr de 2018

Estudo afirma que medicação para diabetes tipo 2 pode atuar contra o Alzheimer

Cientistas do Reino Unido descobriram, por meio de testes em roedores, que um medicamento desenvolvido para tratar diabetes tipo 2 pode agir na proteção dos neurônios atacados pela doença de Alzheimer. Christian Hölscher, da Universidade Lancaster à Science Alert e um dos responsáveis pelos testes, afirma que a medicação tem grandes chances de ser utilizada em tratamentos para doenças neurodegenerativas. O próximo passo é testar o medicamento em humanos.

Caso seja comprovado que a droga pode realmente ser utilizada para interromper a atuação do Alzheimer no organismo humano, a utilização da mesma será mais ágil se comparada a outros tratamentos experimentais, uma vez que a medicação já está aprovada para pacientes diagnosticados com esse tipo de diabetes. O estudo, publicado pela Revista Science, aponta ainda que o medicamento em questão estimula as células cerebrais danificadas e as protege contra danos futuros.

Estudos anteriores já relacionaram a diabetes tipo 2 com o Alzheimer, até porque o primeiro está entre os fatores de risco para o segundo, além de muitos indícios apontarem que a diabetes acelera a progressão do mal de Alzheimer. Isso pode ocorrer porque a insulina protege nossos neurônios e o cérebro de pacientes diagnosticados com Alzheimer tem maior resistência à insulina.

Nos resultados alcançados pelos testes realizados em roedores foram coletadas as seguintes informações: houve reversão significativa da perda de memória, foram elevados os níveis de fator de crescimento do cérebro que protege os neurônios, a acumulação cerebral de placas beta-amilóide foi reduzida, bem como as inflamações e os níveis de estresse oxidativo, e por fim também foram observadas diminuições nas perdas de células nervosas.

Fonte: ScienceDirect

Notícias relacionadas

17 de abr de 2018

O The American Journal of Psychiatry publicou, no início do ano, uma pesquisa que aponta o agravamento dos sintomas da ansiedade em adultos mais velhos, como um possível sinal do desenvolvimento do Alzheimer. Responsáveis pelo estudo, os cientistas do ...

12 de abr de 2018

Cientistas do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP) realizaram experimentos com o hormônio ouabaína, que se mostrou capaz de reverter processos inflamatórios causados por um lipopolissacarídeo de bactéria, mais conhecido com...

10 de abr de 2018

Pesquisadores da Northwestern University e Colorado University, nos Estados Unidos, afirmam que caminhar intensamente quatro vezes por semana pelo período de meia hora pode retardar o avanço do Parkinson em pacientes diagnosticados há menos de cinco anos. Nesse pri...