Estudo afirma que medicação para diabetes tipo 2 pode atuar contra o Alzheimer | Araujo e Fazzito

03 de abr de 2018

Estudo afirma que medicação para diabetes tipo 2 pode atuar contra o Alzheimer

Cientistas do Reino Unido descobriram, por meio de testes em roedores, que um medicamento desenvolvido para tratar diabetes tipo 2 pode agir na proteção dos neurônios atacados pela doença de Alzheimer. Christian Hölscher, da Universidade Lancaster à Science Alert e um dos responsáveis pelos testes, afirma que a medicação tem grandes chances de ser utilizada em tratamentos para doenças neurodegenerativas. O próximo passo é testar o medicamento em humanos.

Caso seja comprovado que a droga pode realmente ser utilizada para interromper a atuação do Alzheimer no organismo humano, a utilização da mesma será mais ágil se comparada a outros tratamentos experimentais, uma vez que a medicação já está aprovada para pacientes diagnosticados com esse tipo de diabetes. O estudo, publicado pela Revista Science, aponta ainda que o medicamento em questão estimula as células cerebrais danificadas e as protege contra danos futuros.

Estudos anteriores já relacionaram a diabetes tipo 2 com o Alzheimer, até porque o primeiro está entre os fatores de risco para o segundo, além de muitos indícios apontarem que a diabetes acelera a progressão do mal de Alzheimer. Isso pode ocorrer porque a insulina protege nossos neurônios e o cérebro de pacientes diagnosticados com Alzheimer tem maior resistência à insulina.

Nos resultados alcançados pelos testes realizados em roedores foram coletadas as seguintes informações: houve reversão significativa da perda de memória, foram elevados os níveis de fator de crescimento do cérebro que protege os neurônios, a acumulação cerebral de placas beta-amilóide foi reduzida, bem como as inflamações e os níveis de estresse oxidativo, e por fim também foram observadas diminuições nas perdas de células nervosas.

Fonte: ScienceDirect

Notícias relacionadas

03 de jul de 2018
Desenvolvido por cientistas da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, um composto experimental reduziu a produção de toxina ligada ao Alzheimer nas células cerebrais produzidas em laboratório. Publicado pela revista Cell Reports, o experimento conta com a produção de células...
28 de jun de 2018
Uma pesquisa realizada pelo Centro de Estudos sobre Vícios e Saúde Mental (CAMH), no Canadá, afirma que quando não tratada, a depressão que persiste por mais de 10 anos pode gerar inflamações cerebrais semelhantes às detectadas em pacientes diagnosticados com Alzheimer. Os pesquisadores resp...
26 de jun de 2018
Um estudo publicado pela revista Neurology, aponta que o tratamento hormonal na menopausa, além de agir na redução dos efeitos gerados pela menor produção de hormônios, também atua na preservação da estrutura cerebral que está ligada à memória e às habilidades mentais. Essa descoberta f...