Estudo aponta que hormônio ouabaína protege o cérebro contra inflamações | Araujo e Fazzito

12 de abr de 2018

Estudo aponta que hormônio ouabaína protege o cérebro contra inflamações

Cientistas do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP) realizaram experimentos com o hormônio ouabaína, que se mostrou capaz de reverter processos inflamatórios causados por um lipopolissacarídeo de bactéria, mais conhecido como LPS. Esse pode ser um novo caminho para levar à produção de fármacos para tratamento de doenças neurodegenerativas, como o mal de Parkinson e Alzheimer.

O hormônio costuma ser administrado em cultura de células da glia do córtex frontal de camundongos, e essas células são de extrema importância para manter o bom funcionamento do cérebro, pois protegem e dão suporte aos neurônios. Um artigo sobre esse tema foi publicado pela Scientific Reports, do grupo da revista Nature, e pode ser acessado através do link: https://go.nature.com/2Er1b3L.

A equipe envolvida afirma que estudos anteriores, também de sua autoria, já haviam indicado que a ouabaína tem efeito protetor no cérebro em situações de inflamação, principalmente quando administrada intraperitoneal em ratos. Com esses novos resultados a equipe conseguiu analisar a atuação do hormônio nas células da glia.

Extraída da planta Strophantus gratus e seu congênere, a digoxina, a ouabaína é uma substância utilizada atualmente para tratar insuficiência e arritmia cardíaca, pois promove o aumento da força de contração cardíaca e normalização do ritmo. No organismo, a substância é produzida na glândula adrenal e em algumas regiões do sistema nervoso central (hipotálamo).

Fonte: Jornal da USP

Notícias relacionadas

16 de ago de 2018
Um estudo publicado pela revista Neuron, aponta que a doença de Alzheimer pode ter relação com infecções causadas por vírus ao longo da vida. Com a participação de pesquisadores da Universidade do Estado do Arizona e da Icahn Escola de Medicina Monte Sinai, nos Estados Unidos, o est...
09 de ago de 2018
Depois de ver a avó perder memórias básicas da rotina, a adolescente de 14 anos, Emma Yang, desenvolveu um aplicativo chamado Timeless, com o objetivo de auxiliar pessoas com Alzheimer a recuperar a memória de seus familiares e amigos. A plataforma apresenta fotos dos entes queridos que...
26 de jul de 2018
Publicado pela revista "Cancer Research", um estudo realizado por cientistas da Universidade de São Paulo (USP), utilizou o vírus da zika em experimentos pré-clínicos para atacar células tumorais. O resultado foi como o esperado: o vírus reduziu os tumores gerou maior tempo de sobrevi...