Estudo aponta que hormônio ouabaína protege o cérebro contra inflamações | Araujo e Fazzito

12 de abr de 2018

Estudo aponta que hormônio ouabaína protege o cérebro contra inflamações

Cientistas do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP) realizaram experimentos com o hormônio ouabaína, que se mostrou capaz de reverter processos inflamatórios causados por um lipopolissacarídeo de bactéria, mais conhecido como LPS. Esse pode ser um novo caminho para levar à produção de fármacos para tratamento de doenças neurodegenerativas, como o mal de Parkinson e Alzheimer.

O hormônio costuma ser administrado em cultura de células da glia do córtex frontal de camundongos, e essas células são de extrema importância para manter o bom funcionamento do cérebro, pois protegem e dão suporte aos neurônios. Um artigo sobre esse tema foi publicado pela Scientific Reports, do grupo da revista Nature, e pode ser acessado através do link: https://go.nature.com/2Er1b3L.

A equipe envolvida afirma que estudos anteriores, também de sua autoria, já haviam indicado que a ouabaína tem efeito protetor no cérebro em situações de inflamação, principalmente quando administrada intraperitoneal em ratos. Com esses novos resultados a equipe conseguiu analisar a atuação do hormônio nas células da glia.

Extraída da planta Strophantus gratus e seu congênere, a digoxina, a ouabaína é uma substância utilizada atualmente para tratar insuficiência e arritmia cardíaca, pois promove o aumento da força de contração cardíaca e normalização do ritmo. No organismo, a substância é produzida na glândula adrenal e em algumas regiões do sistema nervoso central (hipotálamo).

Fonte: Jornal da USP

Notícias relacionadas

17 de abr de 2018

O The American Journal of Psychiatry publicou, no início do ano, uma pesquisa que aponta o agravamento dos sintomas da ansiedade em adultos mais velhos, como um possível sinal do desenvolvimento do Alzheimer. Responsáveis pelo estudo, os cientistas do ...

10 de abr de 2018

Pesquisadores da Northwestern University e Colorado University, nos Estados Unidos, afirmam que caminhar intensamente quatro vezes por semana pelo período de meia hora pode retardar o avanço do Parkinson em pacientes diagnosticados há menos de cinco anos. Nesse pri...

05 de abr de 2018
Um estudo conduzido pela Universidade de Montreal, no Canadá, aponta que jogos tridimensionais, como o Super Mario 64 da Nintendo, por exemplo, podem auxiliar na prevenção de doenças cognitivas menores e até mesmo em questões relacionadas à demência. Os cientistas envolvidos realizaram teste...