Estudo aponta que hormônio ouabaína protege o cérebro contra inflamações | Araujo e Fazzito

12 de abr de 2018

Estudo aponta que hormônio ouabaína protege o cérebro contra inflamações

Cientistas do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP) realizaram experimentos com o hormônio ouabaína, que se mostrou capaz de reverter processos inflamatórios causados por um lipopolissacarídeo de bactéria, mais conhecido como LPS. Esse pode ser um novo caminho para levar à produção de fármacos para tratamento de doenças neurodegenerativas, como o mal de Parkinson e Alzheimer.

O hormônio costuma ser administrado em cultura de células da glia do córtex frontal de camundongos, e essas células são de extrema importância para manter o bom funcionamento do cérebro, pois protegem e dão suporte aos neurônios. Um artigo sobre esse tema foi publicado pela Scientific Reports, do grupo da revista Nature, e pode ser acessado através do link: https://go.nature.com/2Er1b3L.

A equipe envolvida afirma que estudos anteriores, também de sua autoria, já haviam indicado que a ouabaína tem efeito protetor no cérebro em situações de inflamação, principalmente quando administrada intraperitoneal em ratos. Com esses novos resultados a equipe conseguiu analisar a atuação do hormônio nas células da glia.

Extraída da planta Strophantus gratus e seu congênere, a digoxina, a ouabaína é uma substância utilizada atualmente para tratar insuficiência e arritmia cardíaca, pois promove o aumento da força de contração cardíaca e normalização do ritmo. No organismo, a substância é produzida na glândula adrenal e em algumas regiões do sistema nervoso central (hipotálamo).

Fonte: Jornal da USP

Notícias relacionadas

19 de fev de 2019
Há muitos anos sendo tema de estudos científicos em todo o mundo, o Alzheimer é uma doença progressiva que atinge a memória do indivíduo e outras importantes funções mentais. Por ano são mais de 2 milhões de casos só no Brasil, e a campanha Fevereiro Roxo tem como principal objetivo, cons...
13 de fev de 2019
Considerando o atual cenário mundial em que as pessoas fazem diversas tarefas e recebem dezenas de informações ao mesmo tempo, não é de se espantar que problemas de memória estejam cada vez mais comuns. O mais recorrente entre pessoas que não sofrem com esquecimentos graves como o que é caus...
29 de jan de 2019
Pacientes diagnosticados com transtornos psiquiátricos e neurológicos podem, de modo geral, apresentar sintomas e características bastante similares entre si. Um bom exemplo são as alucinações, que podem acometer tanto pessoas com esquizofrenia quanto as que foram diagnosticadas com Alzheimer....