Estudo aponta que o cérebro continua “conectado” mesmo durante o sono mais profundo | Araujo e Fazzito

22 de jan de 2018

Estudo aponta que o cérebro continua “conectado” mesmo durante o sono mais profundo

Enquanto dormimos o nosso organismo atravessa diferentes fases do sono, nosso cérebro, porém, continua conectado durante o sono R.E.M. (Rapid Eye Movement), que significa Movimento Rápido dos Olhos, em inglês. Por meio dessa descoberta de pesquisadores europeus, também foi possível analisar a base científica da consciência, um campo cada vez mais importante para a neurociência.

Nosso sono é composto por diferentes fases, dentre elas estão as fases lenta (não R.E.M.) e rápida (R.E.M.). O sono R.E.M. é a fase do sono na qual ocorrem os sonhos mais vívidos. Durante essa fase, nossos olhos se movem rapidamente e temos maior atividade cerebral. É o momento do sono em que nosso organismo está mais alerta e com maior índice de atenção, ou mais disposto e pronto para a atividade normal.

Os resultados alcançados anteriormente afirmavam que a comunicação entre diversas áreas do córtex cerebral é interrompida durante o sono não R.E.M., sem contar os períodos em que o paciente está sob anestesia, devido à perda de consciência. A novidade, porém, está no fato de que nem todas as formas de comunicação dentro do córtex cerebral são perdidas durante o sono não R.E.M.

O material publicado pelo The Journal of Neuroscience, afirma que para chegar a essa conclusão, os especialistas envolvidos estudaram a forma como o cérebro regula as conexões neuronais do neocórtex e do hipocampo em ratos.

Fonte: EurekAlert!

Notícias relacionadas

10 de mai de 2018

Neurocientistas do Instituto Max Planck de Neurociência e Cognição Humana de Leipzig, na Alemanha, lideraram um experimento com pesquisadores de diferentes países europeus, para descobrir o motivo pelo qual muitos pacientes diagnosticados com Alzheimer conseguem r...

12 de abr de 2018

Cientistas do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP) realizaram experimentos com o hormônio ouabaína, que se mostrou capaz de reverter processos inflamatórios causados por um lipopolissacarídeo de bactéria, mais conhecido com...

05 de abr de 2018
Um estudo conduzido pela Universidade de Montreal, no Canadá, aponta que jogos tridimensionais, como o Super Mario 64 da Nintendo, por exemplo, podem auxiliar na prevenção de doenças cognitivas menores e até mesmo em questões relacionadas à demência. Os cientistas envolvidos realizaram teste...