Estudo aponta que o cérebro continua “conectado” mesmo durante o sono mais profundo | Araujo e Fazzito

22 de jan de 2018

Estudo aponta que o cérebro continua “conectado” mesmo durante o sono mais profundo

Enquanto dormimos o nosso organismo atravessa diferentes fases do sono, nosso cérebro, porém, continua conectado durante o sono R.E.M. (Rapid Eye Movement), que significa Movimento Rápido dos Olhos, em inglês. Por meio dessa descoberta de pesquisadores europeus, também foi possível analisar a base científica da consciência, um campo cada vez mais importante para a neurociência.

Nosso sono é composto por diferentes fases, dentre elas estão as fases lenta (não R.E.M.) e rápida (R.E.M.). O sono R.E.M. é a fase do sono na qual ocorrem os sonhos mais vívidos. Durante essa fase, nossos olhos se movem rapidamente e temos maior atividade cerebral. É o momento do sono em que nosso organismo está mais alerta e com maior índice de atenção, ou mais disposto e pronto para a atividade normal.

Os resultados alcançados anteriormente afirmavam que a comunicação entre diversas áreas do córtex cerebral é interrompida durante o sono não R.E.M., sem contar os períodos em que o paciente está sob anestesia, devido à perda de consciência. A novidade, porém, está no fato de que nem todas as formas de comunicação dentro do córtex cerebral são perdidas durante o sono não R.E.M.

O material publicado pelo The Journal of Neuroscience, afirma que para chegar a essa conclusão, os especialistas envolvidos estudaram a forma como o cérebro regula as conexões neuronais do neocórtex e do hipocampo em ratos.

Fonte: EurekAlert!

Notícias relacionadas

08 de fev de 2018

Cientistas americanos afirmam que para cessar o movimento do corpo de forma brusca nós precisamos utilizar ao menos três áreas do cérebro. Essas situações podem ocorrer quando estamos prestes a tropeçar ou esbarrar em alguma pessoa enquanto caminhamos ou correm...

16 de jan de 2018

Com a ajuda da realidade virtual e da interface cérebro-máquina, pesquisadores do Instituto Internacional de Neurociência, no Rio Grande do Norte, estão fazendo com que paraplégicos recuperem seus movimentos, novidade esta que pode revolucionar os tratamentos de ...

11 de jan de 2018

Cientistas e neurologistas têm, cada vez mais, indicado games e aplicativos de celular para auxiliar seus pacientes a manter o cérebro sempre ativo, diminuindo assim o risco de desenvolver problemas de demência, como o Alzheimer. Esses aplicativos geralmente têm d...