Estudo explica como é possível recordar canções mesmo no estágio mais avançado do Alzheimer | Araujo e Fazzito

10 de mai de 2018

Estudo explica como é possível recordar canções mesmo no estágio mais avançado do Alzheimer

Neurocientistas do Instituto Max Planck de Neurociência e Cognição Humana de Leipzig, na Alemanha, lideraram um experimento com pesquisadores de diferentes países europeus, para descobrir o motivo pelo qual muitos pacientes diagnosticados com Alzheimer conseguem recordar canções, mesmo no estágio mais avançado da doença.

O cérebro possui uma região denominada lobo temporal, que vai das têmporas até a parte de trás da orelha. Estudos anteriores afirmam que é nessa área que fica armazenada a memória auditiva do ser humano, entretanto, essa também é a primeira parte do cérebro a ser afetada pelo Alzheimer.

A explicação começa pelos resultados obtidos ao final do experimento, no qual foram apresentados 40 trios de canções a trinta indivíduos saudáveis. Publicado na revista Brain, o material apontou que, para o cérebro, a experiência de ouvir canções é diferente da experiência de recordá-las, e esses dois processos ocorrem em diferentes regiões cerebrais.

O coautor do estudo, Jörn-Henrik Jacobsen, realizou ainda um segundo experimento, dessa vez em 20 pacientes diagnosticados com Alzheimer, para comparar os resultados com pessoas saudáveis. Para isso foram utilizados os três biomarcadores que agem no diagnóstico e acompanhamento da doença: o peptídeo beta-amilóide, o metabolismo da glucose no cérebro e suas possíveis alterações, e a atrofia cortical.

As medições não apresentaram diferenças significativas de deposição de beta-amilóide e no metabolismo da glicose, já a atrofia cortical se mostrou até 50 vezes menor do que em outras áreas do cérebro. Todos esses resultados apontam que, se comparada a outras áreas do cérebro, a responsável por armazenamento de música pode não ser tão afetada no curso da doença.

A musicoterapeuta da Fundação Alzheimer Espanha, Fátima Pérez-Robledo, afirma ainda que as recordações estão ligadas a uma experiência emocional de grande intensidade, e a música tem uma relação estreita com as emoções, logo, “a emoção é uma porta de entrada para lembrar”.

Fonte: El País

Notícias relacionadas

04 de out de 2018
Um estudo publicado pela Neurology, a revista médica da Academia Americana de Neurologia, apontou que pessoas mais velhas que sofrem com pressão arterial alta podem apresentar mais sintomas de doenças neurológicas, especificamente lesões cerebrais. O mesmo estudo encontrou também uma ...
27 de set de 2018
Um estudo realizado pela Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, apontou que um simples desequilíbrio do pH nas células cerebrais pode ser o responsável pelo mal de Alzheimer. De acordo com os responsáveis pelo conteúdo, quando os processos celulares não são capazes de eliminar a prot...
06 de set de 2018
Regular os níveis de glicose no sangue é de extrema importância, principalmente aos pacientes diabéticos, para evitar lesões em diversos tecidos e órgãos, dentre eles os rins, retina, nervos, vasos e até coração. A lesão nos vasos é acompanhada por uma inflamação, que aumenta as chance...