Fisioterapia neurológica: os benefícios do alongamento para a saúde da terceira idade | Araujo e Fazzito

07 de mar de 2018

Fisioterapia neurológica: os benefícios do alongamento para a saúde da terceira idade

A deterioração física causada pela idade é tão temida quanto as doenças neurológicas caracterizadas pelo avanço da idade. O que poucos sabem é que, assim como uma alimentação balanceada e a prática de exercícios físicos, os alongamentos também podem retardar esses problemas e trazer maior qualidade de vida a esses indivíduos.

O fisioterapeuta neurológico Ricardo Cezar Carvalho, da Clínica Araújo e Fazzito, em São Paulo, destaca os principais benefícios dessa prática tanto para a terceira idade quanto para pessoas sedentárias ou que sofrem de estresse, ansiedade e outros tipos de problemas: “Os alongamentos em geral servem para reduzir tensões musculares, estresse e fadiga, pois relaxam o corpo e tratam questões como má postura e falta de atenção”.

O alongamento favorece o estiramento das fibras musculares, aumentando seu comprimento e, consequentemente, o fluxo da articulação controlada pelo músculo. É importante ter em mente que o alongamento só apresentará os benefícios mencionados quando for realizado de forma adequada, por isso é bastante indicada a supervisão de um profissional da área na hora de alongar o corpo.

Um dos fatores importantes é o tempo de duração do alongamento. Carvalho explica que cada posição deve durar entre 15 e 45 segundos, pois este é o tempo para obter eficácia do alongamento, promovendo ganhos na extensibilidade muscular principalmente em pessoas que não praticam atividade física.

“Comece pelos músculos primários que são os superiores das costas, peitoral e posterior das coxas e glúteos. Eles contribuem mais intensamente para os movimentos! Depois, alongue os músculos auxiliares ou secundários que são os das mãos, dedos e bíceps”, finaliza o profissional.

Notícias relacionadas

19 de abr de 2018

A Academia Americana de Neurologia atualizou, no fim do último ano, uma diretriz que reviu pesquisas sobre o comportamento cerebral de pacientes com comprometimento cognitivo leve (CCL). A Academia concluiu que houve melhora neurológica nos pacientes que se exercita...

17 de abr de 2018

O The American Journal of Psychiatry publicou, no início do ano, uma pesquisa que aponta o agravamento dos sintomas da ansiedade em adultos mais velhos, como um possível sinal do desenvolvimento do Alzheimer. Responsáveis pelo estudo, os cientistas do ...

20 de mar de 2018

O diagnóstico de morte cerebral ficou mais rígido em dezembro último, quando o Conselho Federal de Medicina (CFM), publicou uma nova resolução após 20 anos da que estava em vigor. O CFM afirma que, a partir dessa nova diretriz, o diagnóstico está mais conserva...