Tempo de tela influencia no risco de ansiedade e depressão entre crianças e adolescentes | Araujo e Fazzito

07 de fev de 2019

Tempo de tela influencia no risco de ansiedade e depressão entre crianças e adolescentes

Em artigo publicado pela revista científica “Preventative Medicine Reports”, o psicólogo da Universidade Estadual de San Diego, Jean Twenge, e o professor de psicologia da Universidade da Geórgia, Keith Campbell, defendem que muito tempo gasto em jogos, tanto na televisão quanto em smartphones podem elevar os riscos de ansiedade ou depressão em crianças com idade a partir de 2 anos.

Segundo o material, mesmo que os pais limitem o acesso por apenas uma hora ao dia, esse tempo já é suficiente para que as crianças tenham menos curiosidade, autocontrole, estabilidade emocional e menor capacidade de desempenhar atividades do dia a dia. É importante levar em consideração que estamos numa época em que autoridades de saúde ao redor do mundo pensam em estratégias de combate ao vício tecnológico.

Segundo estimativa do Instituto Nacional de Saúde dos EUA, jovens americanos gastam entre cinco e sete horas por dia navegando na internet. E pesquisadores já estão questionando os limites de tempo de tela sugeridos por organizações médicas, já que essa prática pode gerar efeitos adversos à saúde geral e no bem-estar dos mais jovens.

A conclusão dos profissionais, que analisaram mais de 4 mil pesquisas de cuidadores de crianças entre 2 e 17 anos, afirma que adolescentes que passam mais de sete horas por dia na tela, são mais propensos a ter distúrbios como ansiedade e depressão do que aqueles que passam uma hora. Os responsáveis pelo conteúdo afirmam ainda que o impacto negativo do tempo de nela no bem-estar desse público é maior em adolescentes do que em crianças pequenas.

Fonte: Portal G1

Notícias relacionadas

31 de jan de 2019
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o país com maior taxa de pessoas com transtornos de ansiedade em todo o mundo. Os sintomas mais comuns incluem dificuldade de concentração, insônia e preocupação excessiva, mas apesar de servirem de indícios, é necessária uma aná...
14 de nov de 2018
Considerada a doença do século, a ansiedade não é problema só de adulto. Quando crianças e adolescentes são acometidos por essa condição, podem desencadear complicações como falta de foco, dificuldades de linguagem e até de socialização. É importante atentar-se a sinais como a má qua...
25 de set de 2018
Um dos problemas de saúde que mais têm ganhado evidência nos últimos anos é a ansiedade. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que pelo menos 9,3% da população de todo o mundo apresentam sintomas da doença, e muitas delas são crianças. A Faculdade de Medicina da Universida...